sexta-feira, 25 de abril de 2008

Missão

3 comentários:

MRC disse...

Esta música faz-me lembrar os missionários que, de forma, entregue e solidária, se encontram no meio dos lugares mais longínquos. Lembro-me, em particular, dos Missionários Combonianos e do Verbo Divino com quem me cruzei há alguns anos atrás, mas também da Companhia de Jesus nos tempos idos da Missão no Brasil. De modo especial, recorda-me a particular admiração que tenho pelos Jesuítas, na sua versão mais pura e ortodoxa. Em Portugal, para além dos Padres Vaz Pinto e Vaz Pinto Magalhães, destaque particular para o Pe. Duarte da Cunha um jovem padre, dinâmico, santo, bem humorado, lutador e inteligente, fundador do PAV- Ponto de Apoio À Vida.

colega católico disse...

Boa escolha, colega!
Gosto também muita desta música inolvidável, tema do filme "A Missão", com excepcional interpretação de Robert de Niro.
Quanto ao que diz dos Srs. Juízes de aviário... já há muito que o digo...
Pena que o Dr. Laborinho Lúcio, pessoa que reputo séria, inteligente e empenhada, tenha "inventado" esta forma anómala - e comprovadamente errada - de preencher a falta de juízes...
O modelo anterior - que serviu desde sempre, e se baseava na experiência. maturidade e competência profissional - dava muito mais garantias de julgamentos mais justos.
Mas, enfim, é o que arranjaram... O que prova que nem sempre o que sai das mentes de homens brilhantes é o melhor.
O melhor é sempre pautado pela sensatez e pelo bom senso. E isso é coisa de poucos. E os que os têm, normalmente não são compreendidos...

Um abraço,
in corde Jesu, semper.

Um colega católico.

MRC disse...

Não posso estar mais de acordo.
Esperemos que a nova forma de acesso ao CEJ com obrigatoriedade de prática anterior na advocacia possa melhor a qualidade do senso comum e da experiência de vida dos nossos futuros jovens magistrados.
Os clientes dos tribunais agradessem...