sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Isto existe

Isto existe - um blogue interessante que adicionei hoje aos meus favoritos.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Vila Moleza



O nome Magnus Scheving talvez não vos diga muito. Se eu vos disser que é um Islandês, antigo campeão europa de ginástica aérobica, muito menos.
Mas se vos falar em Vila Moleza ou Lazy town, na sua versão original ou em Sporticus, então, talvez já vos diga algo mais.
Magnus Scheving é o autor e protagonista da série infantil Lazy Town ou Vila Moleza, na versão portuguesa. O seu objectivo, diz, é criar hábitos de vida saudável às crianças, sem cair em paternalismos.
Magnus Sxheving, actualmente com 45 anos, é também pai de 3 filhos e já avô de 1 neto. Para além das filmagens, Magnus corre o mundo, dá entrevistas, participa em workshops e conferências em universidades, falando das suas ideias originais: transformar as crianças, educando-as de forma divertida.
Neste mundo onde tudo é posto em causa e se relativiza, Magnus defende que, pelo menos, todas as crianças deveriam cumprir 7 objectivos: serem saudáveis e educados, sentirem segurança, não magoar as outras crianças, deitar cedo, lavar os dentes, não ser mesquinho e fazer exercício físico.
Para cumprir estes 7 objectivos, Magnus propõe 2 estratégias: Amor e Movimento. Como diz, Magnus numa entrevista, o amor leva ao movimento e o movimento alimenta o amor.
Numa intervenção no passado mês de Novembro, na Colômbia, para promover a versão latino-americana de “Lazy Town”, dizia Magnus, “O nosso trabalho como pais é guiar, que é muito distinto de dizer-lhes o que fazer. (...). Por isso falamos dos anos dourados que vão desde os 0 aos 7 anos que é quando as crianças observam tudo. É a época em que não fazem o que lhes pedimos, senão que imitam o que vêem. Agora, se eu não me sinto satisfeito com a forma como actuam os meus filhos aos 14 anos, foi porque fiz um péssimo trabalho até aos 7.”
Para ajudar a cumprir os objectivos de Magnus, a série “Vila Moleza” parece ter previsto tudo. Lá está Sporticus, protagonizado pelo próprio Magnus cuja missão é ajudar as crianças e a cidade; Robby Reles que é o vilão e tem como objectivo conquistar a cidade e promover a desordem. Depois há o presidente da Câmara da cidade e mais umas quantas crianças, que quase todas se caracterizam por uma enorme insegurança e até extrema ingenuidade, caso, por exemplo, da personagem Ziggy. No meio, está a Estefânia, a 3ª personagem em carne e osso, em conjunto com Sporticus e Robby Reles, já que todas as restantes personagens são protagonizadas por marionetes.
Destaque também para uma das crianças, chamada Pixel, que representa o típico jovem alienado pelas novas tecnologias e jogos de computador.
A série tem está em 120 países e já ganhou vários prémios. Infelizmente, a empresa de Magnus está com graves problemas financeiros, acumulando dívidas na ordem dos 15 milhões de euros e enfrenta inclusivé, já no próximo mês de Janeiro, uma acção judicial que poderá levar ao fim da série. Uma das razões pode ter a ver com elevado custo de cada episódio, 1 milhão de euros, cada, produzido com o recurso a inúmeros e dispendiosos efeitos especiais e técnicas de gravação digital. Apesar disso, Lazy Town ainda poderá dar muito a Magnus, em especial, se nos lembrarmos do merchandise, livros, jogos, etc..que a empresa de Magnus também promove. Em Portugal, por exemplo, a empresa de sapatos BEPPI é uma das que usa a marca “Lazy Town” para vender pantufas, botas, meias e outro tipo de vestuário.
Fico na dúvida se Magnus é um espertalhão interesseiro ou um ingénuo bem intencionado, mas a mensagem é francamente positiva e muito concreta. Veja-se, por exemplo, estas propostas para ocupar o tempo de férias.
Entretanto, em face do panorama, por vezes, horrível da programação infanto-juvenil, Vila Moleza é, de certo, uma das melhores séries a ver e a promover.







P.S.- Para além das pantufas “Lazy Town” com as caras da Estefânia e do Sporticus que cá, por casa, andam; fui, no outro dia, surpreendido, pelo meu filho de 6 anos, que, orgulhoso, comia uma maçã, dizendo que era uma alimento desportivo, Sporticus says.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Colóquio em Faro sobre casamento gay


Uma verdade inconveniente



Em matéria de educação sexual, uma das “verdades” que é muito moderno, sofisticado e politicamente correcto afirmar passa pela exaltação do preservativo.
Ser “moderno” implica defender a espontaneidade dos impulsos e instintos sexuais, desde que se use correctamente o preservativo.
Com base nestas “verdades modernas” financiam-se campanhas pagas com dinheiros públicos e defende-se a revolução sexual com base na protecção do preservativo.
Sucede que estas “verdades modernas” estão muito longe da realidade.
A esmagadora maioria dos homens e mulheres e, em particular, os jovens não gostam de usar preservativo. Consideram que não é prático, quebra a impulsividade e retira uma parte significativa do prazer.
A esta realidade há que acrescentar uma outra: muitas das relações sexuais de risco ocorrem no âmbito do consumo de alcóol ou de drogas. Apelar para o correcto uso do preservativo nestas condições é digno de gargalhada e só por motivos ideológicos é que se poderá entender o contrário.
Infelizmente, não oiço o Professor Daniel Sampaio ou a Associação de Planeamento Familiar falarem sobre estas questões.
O Brasil tem sido dos países que, graças a Lula e ao seu PT, mais tem apostado no preservativo como forma de combate por excelência das DST's e, em particular, da SIDA.
Não deixa, por isso, de ser muito interessante ler esta entrevista ao médico infectologista brasileiro David Uip, director do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo.
Da sua leitura, podemos concluir que se trata de uma pessoa que está no terreno e que, por isso, vê a questão da prevenção das DST's e da SIDA de forma pragmática e sem subordinação a ideologias de facilitismo barato.
Diz ele aquilo que qualquer pessoa que conhece o agir humano sabe, mas nem sempre se diz: A prevenção está na educação do impulso e da vontade, não está na mera informação acerca da prevenção.
O que determina o comportamento é o impulso”. E vai mais longe “O impulso é maior que o medo
E indica o caminho a seguir:
“Comportamento você não muda com campanha, com informação. Você tem uma chance com a educação continuada, desde a fase pré-adolescente”
Embora este médico advogue também o uso do preservativo para quem tem relações sexuais de risco, a sua mensagem final é bem elucidativa sobre o método mais eficaz e verdadeiro de educar para uma sexualidade sadia
A família precisa conversar. Mas trabalhamos muito, temos pouco tempo, o que cria distanciamento. Entendo que é difícil estabelecer uma forma de abordagem. Isso vai muito da maturidade do pai e da mãe, do convívio, da cumplicidade. Essa é a palavra-chave. Primeiro tem que aprender a conversar com o filho. E, antes, tem que aprender a ouvir. O grande truque é saber ouvir o que não está falado. Isso requer um treinamento. Humildade

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Medina Carreira e o estado da Educação

Um "must" aqui

Mundo cão


Nas últimas semanas têm vindo a público uma série de reacções provenientes de destacadas personalidades da sociedade civil a denunciar o beco em que Portugal se encontra. Já não falo de João César das Neves, nas suas crónicas de 2ª feira no DN, de Vasco Graça Moura nas suas colunas de opinião do “Público” ou de Medina Carreira, nas suas entrevistas na SIC, a denunciar “o nojo” da classe política. Falo de pessoas como José António Saraiva, director do semanário “Sol” que denunciou as graves ingerências do governo nos media; falo de Ernani Lopes que alerta para um “país semi-desenvolvido” ou “semi-morto”, em “década vazia”, onde as pessoas querem é “enriquecer de qualquer maneira e depressa”; falo de António Barreto, antigo activista do PS que denuncia a crise ética e de valores ou do sindicato dos Juízes que alerta para a inépcia dos processos cíveis.
Entretanto, sobretudo na escola e na justiça, somam-se os fracassos. Parece que há uma crise generalizada de bom senso. Cometem-se disparates, incorrem-se em erros que seriam evitáveis. Na Justiça a situação agrava-se. O governo PS para tentar reduzir a pressão sobre os tribunais aumentou escandalosamente os valores das taxas e custas judiciais; processos de cobrança de dívidas ou despejos por falta de pagamento de rendas arrastam-se em tribunal, cada vez com mais tempo a passar e mais despesas por pagar. O Estado entra em degenerescência. Perante a ineficácia e a dificuldade no acesso aos tribunais, aumenta o número de pessoas, senhorios e credores, a fazer justiça por mãos próprias, a recorrer às cobranças difíceis, aumentam os casos de agressões e ameaças, inclusive sobre os próprios advogados, aumenta o número de pessoas que pede licença de porte e uso de armas de fogo. Na escola sobrecarregam-se os professores e as escolas com funções e burocracias que estão muito para além das suas possibilidades. Aumenta a insegurança nas escolas e nas ruas. Aposta-se na promoção do aborto e do divórcio como forma de exaltação da individualidade em detrimento da alteridade.
E o povo? Onde fica, no meio disto tudo? A estratégia é clara. Adormecer a opinião pública, dividir para reinar. Transformar os adolescentes em vegetais que se consomem em horas seguidas de playstation ou se perdem nos gritos de uma discoteca, anestesiados pelo alcóol e pelo consumo de alucinógeneos enquanto os adultos se deixam consumir pela voragem escrava da sua actividade profissional enunca têm tempo para nada.
Perante este panorama e o descrédito generalizado da política e dos políticos, os poucos eleitores que votam preferem alguém que engane, que fale bem, que crie e venda ilusões. Tudo é preferível do que enfrentar a realidade. A memória é curta. Perante escandalos e fracassos, encolhem os ombros e conformados votam em mais do mesmo. Enquanto os media distraem, cá fora, vai-se vivendo um mundo, um mundo cão.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

A gripe "A" ou o negócio milionário das farmacêuticas



P.S.- O línk deste vídeo foi-me enviado pelo meu médico de clínica geral....

domingo, 29 de novembro de 2009

A Democracia está doente

Excelente artigo de opinião sobre os casos de corrupção, crise da democria e crise de valores.

Em castelhano, mas assenta que nem uma luva em Portugal.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Jorge Bacelar Gouveia na distrital de Lisboa do PSD




Penso que os militantes eleitores das secções do PSD de Lisboa devem ter o discernimento necessário para se livrar dos habituais caciquismos locais e devem dar o seu voto ao prof. Jorge Bacelar Gouveia que personifica a renovação, a credilidade e a competência que este partido bem precisa.


Espero que os militantes percebam as enormes qualidades e virtudes pessoais deste candidato e lhe dêem uma oportunidade de mostrar o que um novo e renovado PSD pode ainda fazer pelo país mergulhado no PSquistão que a todos nos submerge e sufoca.

domingo, 22 de novembro de 2009

Petição para realização de referendo sobre casamento gay: imprima e assine !

Petição Plataforma Cidadania e Casamento

PS quer controlar informação




Demonstra-se, mais uma vez, que o PS não olha a meios para atingir os fins.


Também tenho uma para contar que se passou a poucos dias do último referendo sobre o aborto, mas, infelizmente, só a poderei contar daqui a largos anos.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Contradições

Nos Prós e Contras de ontem, quando confrontado pelo Pedro Pestana Bastos sobre o seu próprio conceito de "Referendo", Paulo Côrte Real, presidente do ILGA, contra-argumentou que obviamente que o referendo não deve ser aplicado à questão dos direitos das minorias, sob pena de se cair no totalitarismo das maiorias sobre as minorias.
Acho piada que esse argumento seja utilizado agora e que o seu autor nada tenha dito sobre a mesma matéria, a propósito do último referendo sobre o aborto.
É que há que não esquecer que os fetos ou nascituros são também eles uma minoria em face da maioria dos que já nasceram, com a agravante de serem uma minoria vulnerável e indefesa. Entre esta minoria dos nascituros, ao contrário do que acontece com os membros do lobby gay, não existem professores universitários, não existem deputados, não existem jornalistas a escrever em colunas de opinião de jornais diários, não existem bloggers a escrever em blogs a favor das suas causas, não existe ninguém a organizar prémios "Arco-Íris" a favor de quem se tenha destacado pelo apoio aos nascituros, etc.etc.
Assim se vê, o medo que a causa gay tem do referendo. De facto, as pessoas sabem bem que os homossexuais e a homossexualidade é algo de diferente da heterossexualidade, de diferente e de excepcional. Como tal, o que é diferente e excepcional, há-de ter também um tratamento e um regime jurídico diferente e excepcional. Há que não esquecer que não se pode, nem se deve tratar de forma igual, aquilo que é desigual; deve-se, antes, tratar de forma desigual àquilo que é desigual.
Por este motivo, sou contra o casamento homossexual e a favor do referendo e, por isso, também aceitei ser um dos subscritores da petição a favor do referendo.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Aborto continua a aumentar


TUDO AQUILO QUE OS OPOSITORES DO "NÃO" INVOCARAM A PROPÓSITO DO REFERENDO QUE LIBERALIZOU O ABORTO ESTÁ A ACONTECER:



- O RECURSO AO ABORTO COMO MEIO CONTRACEPTIVO,


- A AUSÊNCIA OU POUCA DILIGÊNCIA NA ADOPÇÃO DE MEDIDAS QUE PREVINAM AS GRAVIDEZES INDESEJÁVEIS


- A NÃO PROMOÇÃO JUNTO DAS GRÁVIDAS DE MEDIDAS DE APOIO ECONÓMICO OU DE INCENTIVO À ADOPÇÃO

domingo, 8 de novembro de 2009

Crepúsculo


A Trilogia da autoria de Stephenie Meyer “Crepúsculo”, “Lua Nova” e “Amanhecer” têm feito as delícias das adolescentes. Trata-se de um fénomeno global de quase histeria colectiva que leva a comportamentos de verdadeira obsessão.
O que tem essa trilogia de tão especial que atraí tanto as adolescentes ? A questão tem o seu quê de interessante se levarmos em consideração que uma das características mais vincadas tanto da actual como das anteriores gerações de adolescentes residia precisamente no total e absoluto desinteresse seja pelo que for. Então porquê o interesse por estes livros ?
Uma das explicações reside na originalidade do argumento e no facto da autoria Stephenie Meyer demonstrar ser uma profunda conhecedora da psicologia feminina com todas as suas contradições e mudanças bruscas de disposição. Quanto ao argumento, os livros abordam a história de uma família de vampiros, os Cullen, que estão totalmente integrados na sociedade. Os mais velhos têm profissões e os mais novos frequentam a escola secundária da zona. Estes vampiros, ao contrário dos habituais, são vampiros bons já que apenas se alimentam de sangue de animais, o que não quer dizer que num momento de maior tentação não o possam fazer também relativamente aos humanos. E é neste contexto que surge a paixão entre um dos vampiros mais novos, Edward e uma adolescente vulnerável e solitária da terra, Bella, filha de pais divorciados.
Stephenie Meyer é uma cristã mormon e, por isso, muitos dos conceitos defendidos pelo cristianismo estão subjacentes no argumento dos seus livros. O conceito de família que se une, em volta de um objectivo comum, o de apoiar um dos seus membros em dificuldade “A minha família não é deste mundo, mas existe no outro, no seu mundo”. Veja-se por exemplo como os Cullen criam um circulo à roda de Bella, quando inesperadamente surgem 3 dos vampiros maus..Também está subjacente uma critica social, quando Edward, usando os seus poderes, diz a Bella que, naquele restaurante, à excepção de uma senhora que estava preocupada com o seu gato, todos os outros estão apenas preocupados com 2 valores: sexo e dinheiro. Destaque-se também a necessidade imperiosa que Edward tem e assume de viver a abstinência no seu namoro com Bella de forma a garantir que não lhe fará mal, transformando-a também em vampiro. Logo aqui, Edward é diferente dos outros. A maioria dos adolescentes procuram consumar o namoro, iniciando as relações sexuais com a sua namorada o mais rapidamente possível, chegando ao ponto de exigir isso como suposta prova de amor. Edward, pelo contrário, inspira e deleita-se com Bella (por ex. o ficar horas só a vê-la dormir), sem ter necessariamente que consumar essa sedução com um acto sexual; é uma possessão interior e platónica que reforça os laços entre ambos; uma espécie de erotismo sublimado.
A Edward é lhe pedido que se auto-controle, assim como a Frodo, do Senhor dos Anéis, é lhe pedido que não se deixe seduzir pelos poderes do anel. Em ambos o auto-controle é o caminho para a felicidade e só se atinge se se seguir o caminho do amor. No caso de Frodo, o amor pelos amigos e pelo seu povo, no caso de Edward, o amor por Bella. Amor esse que é o único caminho de salvação. Diz Bella, parafraseando uma expressão que igualmente se encontra no evangelho, “Para onde é que eu haveria de ir” senão para onde está o amor ? A paixão levada às últimas consequências, se necessário, à morte “Tu és, agora, a minha vida”, diz Bella, enquanto lhe oferece o pescoço para que ele a morda, ao que ele responde com um doce e suave beijo. A paixão é vivida como uma troca de vazios onde um vazio enche o vazio do outro e ao fazê-lo, enche em simultâneo o seu próprio vazio. Estas cenas lembraram-me também as músicas dos Tokio Hotel, “Heilig (amor sagrado) e Totgeliebt (amor de morte) ambas igualmente veneradas pelas adolescentes. E a conclusão que tiro disto tudo é que apesar do aspecto, por vezes, hirto, seco e vazio de alguns adolescentes reside, lá no fundo, um verdadeiro desejo de romantismo e idealismo e até de utopia que, nós, adultos, infelizmente já há muito tempo perdemos.

domingo, 1 de novembro de 2009

Stº Agostinho de Hipona

Stº Agostinho é, talvez, dos santos mais desconcertantes da Igreja Católica.
Era uma pessoa extremamente inteligente, equivalente ao que seria hoje um professor universitário.
Qual Saramago, olhava para a Bíblia como um livro básico e considerava as parábolas de Cristo medíocres de conteúdo.
Era aquilo a que se chamaria hoje um t.s. (tarado sexual), participava em orgias, era frequentador assíduo de prostitutas e inclusive teve um filho de uma com quem se relacionou mais. Diz-se que era também bissexual e terá mantido relacionamentos homossexuais com alguns dos seus amigos mais próximos.
Nas suas borgas nocturnas, inclusive, no meio de bebedeiras, participou em furtos e, até, em rixas.
A morte de um dos seus companheiros de noitadas, a intercessão da sua mãe, Stª Mónica e a intervenção de Stº Ambrósio, foram determinantes na sua conversão.
Escreveu uma autobiografia intitulada "Confissões", onde chega ao ponto de contar pormenores tais como o ter sido apanhado uma vez, pela mãe, a masturbar-se no banho..
Hoje, é só um dos pilares mais sólidos da teologia ascética e dogmática da Igreja Católica.
Há pouco tempo, foi lançada uma pequena série sobre a sua vida, cujo trailer aqui deixo:

Arquivo histórico visual

A ITN tem disponível na internet um arquivo histórico com pequenos filmes com cenas da primeira metade do século XX.

Alguns podem-se visionar nas suas páginas; outros tem que ser pagos.

Aqui está o link para quem gosta de história contemporânea.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Mais um diagnóstico arrasador para o país

Marcelo Rebelo de Sousa


Marcelo Rebelo de Sousa é uma espécie de reserva moral do PSD.

O seu nome surge, agora, como alternativa à sua liderança.

Para mim, o candidato ideal seria uma pessoa mais do género de Alexandre Relvas, como, aliás, já tive oportunidade de referir num outro post.

Porém, como se assiste a uma "balcanização" do PSD, no dizer do próprio Prof. Marcelo, sou levada a concordar que só mesmo uma pessoa de créditos firmados é que poderá unir mais o partido.

No entanto, também acho que se deve renovar o partido, nas ideias, no programa e nas pessoas.

Daí que, além dos históricos que alinharam com Manuela Ferreira Leite, parece-me importante apresentar caras novas e rejuvenescer os órgãos dirigentes do partido.

A ideia de um governo sombra formado por uma equipa competente também me parece muito oportuna e importante.

P.S.- Uma coisa é certa caso Pedro Passos Coelho volte a perder, penso que continuará a tentar descredibilizar a liderança do partido, seja ela qual for, até que consiga atingir o seu objectivo.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Um modelo razoável de educação sexual

No estado da "Carolina do Norte" aprovou-se recentemente uma lei da educação sexual que permite aos pais a escolha entre 3 opções:
- Os seus filhos terem aulas de educação sexual compreensiva.
- Os seus filhos terem aulas de educação sexual pró-abstinência.
- Os seus filhos não terem educação sexual.
Nas aulas de educação sexual compreensiva faz-se uma referência à abstinência mas desenvolve-se mais os outros métodos contraceptivos.
Nas aulas de educação sexual pró-abstinência faz-se também uma referência aos outros métodos contraceptivos mas coloca-se o assento tónico na promoção da abstinência.
Em nenhum dos dois tipos de aulas é permitida a referência valorativa quer relativamente à homossexualidade, quer relativamente ao aborto. Em ambos, remete-se para os pais a tomada de posição sobre ambos os temas.Ver aqui o depoimento de uma mãe e uma professora:

O Globalismo

"Seu Cristo é judeu, sua escrita é latina, seus números são árabes, sua democracia é grega, seu som é japonês, sua bola é coreana, seu DVD é de Hong Kong, sua camiseta é da Tailândia, seus melhores jogadores de futebol são do Brasil, seu relógio é suíço, sua pizza italiana. E você ainda vê o trabalhador imigrante como um depreciável estrangeiro?”

Via Samakoto

domingo, 25 de outubro de 2009

Dramático diagnóstico da Justiça Portuguesa

O presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), António Martins, reconheceu também que “a componente executiva da área cível está a funcionar muito mal” e que existe “a sensação” em Portugal de que “não se consegue cobrar uma dívida, não se consegue fazer um despejo, não se consegue executar uma sentença do próprio tribunal”. A elevada carga de processos cíveis por juiz na primeira instância e a consequente morosidade das decisões foram outros problemas levantados por António Martins, que, como aspecto positivo, sublinhou o facto de ao nível dos Tribunais da Relação os recursos estarem a ser julgados numa média de quatro a cinco meses e no Supremo Tribunal de Justiça num prazo ainda inferior.
Para o presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ), Fernando Jorge, a Justiça Cível é provavelmente a maior “culpada” do constrangimento processual que se verifica na generalidade dos tribunais. “Isso deve-se fundamentalmente à acção, ou falta dela, por parte do legislador. Por exemplo, a existência de um Código de Processo Civil excessivamente burocrático, com mais de 1.500 artigos, é um factor que em nada contribui para a desejada celeridade e simplificação processual”.
Fonte: Público

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Amor e sexo

Este filme a que cheguei, via Alexandra Chumbo, é muito interessante e diz muitas verdades; tem por base uma experiência verídica e merece reflexão.

Banhinho em 3 minutos

Na Venezuela, todos têm de tomar banhinho em 3 minutos, senão têm de se haver com o Hugo Chávez.

É assim, em Portugal, por enquanto o Governo socialista ainda só legislou sobre a quantidade de sal que há no pão, na Venezuela já vão no tempo do chuveiro.

Lá chegaremos....

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Brejeirice e falta de educação

Uma das coisas que mais caracteriza o movimento pró-gay é a sua brejeirice e total e absoluta falta de educação.
À excepção do Miguel Vale de Almeida que defende a sua causa com certa categoria e o nível intelectual que o caracteriza, raras são as vezes em que estas pró-gays conseguem ter uma discussão sobre este e outros temas fracturantes sem partir para o insulto fácil e a ofensa pessoal.

Até mesmo quando têm razão, a forma grosseira, ofensiva e brejeira como se expressam, acaba por desvalorizar o que dizem.
É preciso explicar a estas senhoras que é possível defender causas fracturantes sem se ser básico e ofensivo e que é preciso respeitar a opinião das outras pessoas por mais oposta que possa ser da sua.
Talvez com um bocadinho mais de nível, conseguissem mais para as suas causas do que com a vulgaridade com cheiro a beco de intendente que, por vezes, expressam nos seus escritos.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Sócrates e o que se dizem nas eleições

Há poucos minutos atrás, Sócrates teve este lampejo de sinceridade

Documentário sobre a defesa da vida

A felicidade vem da monotonia


Em sua essência a vida é monótona.

A felicidade consiste, pois, numa adaptação razoavelmente exacta à monotonia da vida. Tornarmo-nos monótonos é tornarmo-nos iguais à vida; é, em suma, viver plenamente. E viver plenamente é ser feliz.

(...)

Parece, a princípio, que as cousas novas é que devem dar prazer ao espírito; mas as cousas novas são poucas e cada uma delas é nova só uma vez. Depois a sensibilidade é limitada, e não vibra indefinidamente. Um excesso de cousas novas acabará por cansar, porque não há sensibilidade para acompanhar os estímulos dela.

Conformar-se com a monotonia é achar tudo novo sempre.

A vida burguesa da vida é a visão científica; porque, com efeito, tudo é sempre novo, e antes de "este hoje" nunca houve "este hoje""


Fernando Pessoa

In Reflexões Pessoais

terça-feira, 6 de outubro de 2009

A reforma do sistema político

Tal como já tinha referido aqui, em face dos elevados níveis de abstenção, em face da dificuldade que os partidos clássicos têm em mobilizar as massas, em face da péssima imagem dos políticos e da política, urge promover, com coragem, a reforma do sistema político.

Por isso, concordo em absoluto, no conteúdo e na oportunidade com o discurso de Paula Teixeira da Cruz sobre ética e reforma da política.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

PS e Maçonaria

Já há uns meses atrás coloquei aqui um link sobre uma reportagem do El País sobre a influência da Maçonaria no Partido Socialista Português, com especial destaque para o Ministro da Administração Interna, Rui Pereira.

Por sua vez, há poucas semanas atrás, um amigo meu, funcionário público, contava-me como a Maçonaria tem-se vindo a infiltrar na administração pública portuguesa, não só ao nível dos altos dirigentes, mas, agora, também ao nível dos dirigentes intermédios.
Falava, em concreto, acerca de uma pessoa que tinha ingressado na Maçonaria não porque se tenha convertido ao Gnosticismo místico mas porque pretende assegurar o seu lugar na administração pública.
Quem pertence à Maçonaria, além do "frete" de ter que ir às cerimónias de iniciação, tem que garantir lugares a outros "irmãos" e ser garantido no lugar onde já está.
Em cargos de confiança política, não me chocaria que assim fosse. Em cargos de natureza técnica já me choca que isto assim suceda num Estado Democrático.

Para confirmar o que acabo de dizer, aqui cito um excerto da entrevista do advogado José António Barreiros, ex-maçon ao semanário Sol, diz o seguinte:
"A certa altura, no GOL (Grande Oriente Lusitano), começou a desenhar-se uma profanização, uma lógica ostensiva de todada de poder (...), o que achei muito perigoso e com o que não tinha nada a ver."

In Semanário Sol, Edição de 4 de Outubro de 2009, Suplemento "Tabu", página 43.

domingo, 4 de outubro de 2009

PS sem escrúpulos

"(...) o PS tem a máquina mais poderosa que hoje existe, cheia de dinheiro e disposta a actuar sem quaisquer escrúpulos.
Algum pudor que existia na política, não atacando pessoalmente os adversários nem organizando cabalas em tempo eleitoral, perdeu-se.
A máquina do PS é completamente despudorada, destituída de princípios e recorre a tudo.
Instrumentaliza jornalistas, usa golpes baixos, aproveita todos os deslizes dos adversários para fazer jogadas rasteiras.
E alguns dirigentes nacionais prestam-se a isso, dando o seu rosto e a sua voz (ou vozeirão) a essas campanhas sujas.
Além disso, o PS tem um bom líder – um ‘robô político’ (...)"
(Os destaques são meus)

José António Saraiva
Blog "Política a sério"

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Não me apetece....outra vez


O jornal "i" fez uma reportagem interessante sobre o déficit das relações conjugais dentro do casal.
Aparentemente poderíamos ver esta reportagem como mais um artigo sobre sexo com o mero objectivo de aumentar as audiências do jornal. Porém, a questão é pertinente e vai muito para além da parte meramente sexual em si.
Há que não esquecer que precisamente os países onde há graves problemas demográficos são aqueles em que mais se trabalha e se promove uma concorrência e competição laboral, por vezes, selvagem.
Se a relação conjugal torna-se rara pelos vários motivos referidos no artigo, entre os quais, o stress, o cansaço, o trabalho e até mesmo devido aos filhos, certamente que será mais difícil a tarefa da procriação. Isto não quer dizer que só haja lugar às relações conjugais com o único objectivo da procriação já que estas têm também um fim unitivo entre o casal e não meramente procriativo.
Sem entrar na questão da contracepção uma coisa é certa ou o casal usa os métodos "naturais" de procriação ou usa os "artificiais". E este artigo não deixa de conter sinais alarmantes sobre a "crise" dos métodos naturais de procriação.
E o mais irónico é que vivemos numa sociedade que, embora esteja permanentemente a exultar o sexo e os instintos na publicidade e na cultura, depois, na prática, em muitos dos casais, vive uma um crise de ausência de relacionamento conjugal.
Uma tema interessante, ainda que complexo, para registar e reflectir.
Também aqui

Advogado baleado

Aqui já tinha avisado com 2 posts ("Ameaças" e "Faroeste") sobre o estado para onde nos leva o governo socialista com a sua política de Justiça.
Das várias ameaças que se vão fazendo a advogados pelo país fora, hoje, uma concretizou-se.

Rescaldos das eleições II

"O povo português escolheu a demagogia. Nestas eleições ganharam os demagogos: Sócrates, Portas e Louçã. os portugueses não querem que lhes falem verdade, querem ilusões. Não têm coragem para enfrentar a realidade. Triste sina a nossa."

Um Juíz desembargador também a criticar o código das custas judiciais

"Tenho notado que as pessoas deixam de poder ir a Tribunal, porque [hoje] qualquer coisa é paga", diz Paulo Guerra.
O juiz desembargador Paulo Guerra criticou, ontem, o novo regime de custas judiciais para os processos envolvendo crianças e jovens, no Tribunal de Família, por entender que "são um grande constrangimento no acesso ao Direito".
"Estamos a falar de crianças, devíamos ligar menos a cifrões", defendeu, finda a sua intervenção no curso de formação avançada promovido pelo Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, intitulado "O acesso e a promoção do Direito das Crianças e Jovens". "Família e menores é uma área à parte. Não tolero que haja obstáculos financeiros", reforçou Paulo Guerra, aludindo à entrada em vigor do novo regime de custas judiciais, este ano.
E assegurou que, no Tribunal de Família e Menores de Coimbra - onde foi até recentemente -, os incumprimentos da Lei, em relação à prestação de alimentos, "desceram vertiginosamente". Em seu entender, é de lamentar que pessoas em "desespero económico", porque não recebem a pensão de alimentos devida, "tenham de pagar ao Estado para o comunicar".
Todavia, nestes casos, o Ministério Público (isento de custas) "pode ser um canal belíssimo para entrar nos tribunais".
"Tenho notado que as pessoas deixam de poder ir a Tribunal, porque [hoje] qualquer coisa é paga", referiu, ainda, Paulo Guerra. Entre os lesados estão os avós que requerem convívio com os netos, face à oposição dos pais, e não têm capacidade económica.

Rescaldo das eleições

O rescaldo das eleições legislativas de ontem merecem-me os seguintes comentários e balanço:
- Manuela Ferreira Leite é um Senhora com "S" grande, pela categoria e integridade demonstradas. Não tem nada a ver com o baixo nível de muitos que, invocando o direito a uma ilimitada liberdade de expressão, usam o insulto e a ofensa como arma política. O seu maior problema é uma questão de "embrulho", não de conteúdo. Não é suficientemente "sexy" para convencer o eleitorado...
- Quer a lista de deputados do PSD, quer o seu programa, em muitos pontos deveriam ter ido mais longe.
No caso dos deputados, a inclusão de António Preto e Maria Helena Lopes da Costa foi mal medida e causou mais estragos do que futuros benefícios. A exclusão de caras novas como Paulo Marcelo não deram uma imagem de renovação mas sim de "mais do mesmo".
No caso do programa, teria sido necessário destacar 2 ou 3 pontos e batalhar neles como Sócrates fez nas eleições de 2005 e Paulo Portas, de novo, repetiu, nestas eleições.
- Os partidos de esquerda, PS incluído, são parasitas que vivem à custa da degenerescência cultural e social que vai caracterizando a sociedade dos nossos dias. Isto só aumenta a responsabilidade dos partidos de direita quando estão no poder. Para se manterem e contrariaram a corrente dominante pró-ideário de esquerda têm mesmo que ser competentes. Veja-se o caso de Angela Merkel, na Alemanha.
- Teremos que aguentar mais 4 anos, José Sócrates e a sua turma. Não vou tão longe como o João Noronha que, com muita piada, fala em fugir para as montanhas, mas, pelo menos, entricheirar-me em casa com os meus filhos, lá isso vou.

.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Prof. Jorge Bacelar Gouveia em S.Brás de Alportel



O encontro com o cabeça de lista do PSD pelo Algarve, Prof. Jorge Bacelar Gouveia do passado dia 18, em S.Brás de Alportel, foi muito agradável e extremamente gratificante.
O candidato esteve muito interessado em obter mais informações acerca do nosso concelho e aproveitou também para falar um pouco de si e dos seus objectivos pessoais e políticos, nos quais deixou bem claro o seu compromisso na defesa e promoção dos interesses do Algarve.
A este propósito, focou o compromisso “Uma Ideia para o Algarve” onde os candidatos do PSD à AR, pelo Algarve, além de se apresentarem, obrigam-se à promoção de uma série de objectivos concretos em favor do nosso distrito.
No início da tertúlia política que se seguiu após o jantar que decorreu no restaurante “Irish Sea”, o candidato e constitucionalista da Universidade Nova de Lisboa, começou para chamar à atenção para o facto de não vivermos apenas uma crise económica, mas muitas crises. Ao nível da Justiça, da segurança, da agricultura, da saúde e da educação. Destacou o compromisso de verdade da Dra. Manuela Ferreira Leite que, no seu programa, procurou prometer apenas aquilo que pode cumprir e daí o mesmo ser mais pequeno, por exemplo, do que o do PS que tudo promete na ânsia de ganhar mais votos.
O candidato referiu o escândalo que é o facto da ligação entre Faro e Portimão demorar 1h20m e denunciou o facto do cabeça de lista do PS pelo Algarve, João Soares, nada ter feito, enquanto deputado pela regionalização; considerou ser importante reformar o sistema político de forma a recuperar a relação de confiança entre eleitores e eleitos e destacou, no futuro, a importância do voto electrónico como forma de combater a abstenção.
A propósito do facto de não viver, nem ter familiares no Algarve, pediu para não o condenarem à partida, referindo que estudou a fundo os dossiers regionais e que, assume plenamente a missão de, na AR, ser, em conjunto com os outros candidatos pelo PSD, uma voz a favor do Algarve.
Por fim, terminou, manifestando a sua disponibilidade para ouvir os algarvios e, como prova disso, indicou o seu correio electrónico e o seu número de telemóvel pessoal.
Já de saída, o Prof. Jorge Bacelar, confessou que o jantar, a tertúlia e a conversa com os sambrazenses terá sido um dos momentos mais agradáveis deste campanha.
Na próxima 4ª feira, pelas 16 horas, estará de volta, em conjunto com o Dr. Mendes Bota e os restantes candidatos numa visita à fábrica “Nova Cortiça”.

Site de divulgação dos candidatos PSD à AR pelo Algarve

Prevenir os acidentes rodoviários

A semana passada, o Correio da Manhã, seguindo a sua actual veia sensacionalista, publicou duas notícias sobre a morte de 2 grupos de adolescentes nas estradas nacionais.

De uma vez só, partiram deste mundo, 4 rapazes e depois 6 raparigas. Todos adolescentes na flor da idade, deixando na terra os seus pais e irmãos no mais profundo desespero e tristeza.

A Liliana Verde colocou aqui uma série de vídeos que, apesar de serem muito duros de ver, fazem-nos pensar...

A "tolerância" da esquerda

Tenho para mim que a "esquerda" que tanto apregoa a liberdade de expressão e a tolerância é, depois, na prática, das mais radicais e das mais asfixiantes precisamente nessa área.

No Brasil, eis aqui mais um exemplo.

domingo, 20 de setembro de 2009

A união das Igrejas

De acordo com este artigo e as recentes notícias provenientes do Vaticano parece que, pelo menos, está iniciado, de forma credível, o processo de unificação entre a Igreja Católica e Ortodoxa.
Há ainda muito trabalho por fazer nomeadamente em 3 áreas onde se verificam divergências:
- A área das divergências teológicas que, apesar de tudo, são pouco significativas e ultrapassáveis (por ex. o problema do filoque).
- A área do reconhecimento do primado do Papa de Roma que também é ultrapassável já que o Papa anterior, na encíclica Ut Unum Sint, deixou em aberto uma nova visão sobre esta temática que permitirá uma maior aceitação do primado de Roma sobre as Igrejas Ortodoxas sem que autonomia destas seja colocada em causa.
- A área da aceitação do Concílio Vaticano II por parte da Igreja Ortodoxa, em particular, ao nível da doutrina social da Igreja que é uma temática ainda pouco desenvolvida por esta última.
Acredito que o Papa João Paulo II, lá do céu, está a dar uma boa ajuda neste esforço de reconciliação.
Se esta unificação acontecer, será uma enorme demonstração de fé que será dada ao mundo secular e significará claramente um relançar do fenómeno religioso com consequências em vários âmbitos.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Patrick Sawyze morreu

Depois de um luta contra o cancro, Patrick Sawyze morreu.
aqui me tinha referido indirectamente a ele, num filme marcante e ambíguo - Point Break ou Ruptura Explosiva, na versão portuguesa.
Nesse filme, Patrick Sawyze tem, a meu ver, uma interpretação excelente, muito melhor do que a de Keanu Reeves.
Aqui ficam alguns dos excertos mais fantásticos desse filme que curiosamente revi ainda há poucos dias atrás.

P.S.- Sobre o cancro, que doença terrível para a qual, ao fim de tantos anos, a medicina e a ciência praticamente nada conseguiram ainda fazer. Como dizia um médico meu amigo, é uma forma rápida de morrer depressa.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Conciliar Família e Trabalho


Hoje em dia, só mesmo na televisão ou em filmes “delicodoces” se retrata a família como uma realidade perfeita, com estabilidade financeira e tempo para estar com todos.
A realidade é outro filme. O do ‘stress' diário de cumprir horários, das tarefas inadiáveis, das urgências com a filha mais nova, do ajudar o mais velho com os trabalhos, de arrumar a casa, do ter que trabalhar muito para pagar as contas, etc. Neste filme neo-realista, resta pouco tempo para os idosos, para brincar com as crianças ou até namorar com o parceiro. Neste filme, haverá, pouca vontade de aumentar a prole familiar ou sequer de ter filhos. Por isso, por vezes, a história termina em insucesso escolar, disfunções comportamentais, discussões, divórcio e muita infelicidade.
A prazo o filme pode transformar-se numa série de terror. Basta recordar que a queda da natalidade, fomentada por estilos de vida "sufocantes", terá graves consequências, sobretudo ao nível do cuidado com os idosos, do colapso dos sistemas de segurança social e de saúde.
Para lidar com esta situação, não basta construir creches ou distribuir subsídios de 200€ por nascimento, como pretende o PS. Há que ir mais além e permitir que os pais trabalhadores tenham mais tempo disponível para a família, reforçando a coesão familiar, sem prejudicar a vertente financeira.
Mas não será esta uma quadratura do círculo?
O Instituto Sá Carneiro, em documento recente, responde a essa questão ao destacar a necessidade da valorização da família, numa dupla perspectiva: por um lado, dar mais tempo à família através de políticas que promovam a conciliação com a vida profissional. E, por outro, usar a família como a assistente social por excelência de crianças e idosos, levando desta forma o Estado a poupar recursos. Para isso há que incentivar não só o recurso ao teletrabalho, à flexibilização dos horários, ao ‘part-time' e à criação de creches no próprio emprego. Mas também a uma maior participação do homem nas lides domésticas e educativas, ao incremento do apoio domiciliário e dos benefícios fiscais para quem toma conta das crianças, entre outras.
Conciliar trabalho e família não será a única solução para resolver o problema da crise familiar e da quebra da natalidade. Mas será certamente um forte contributo. A este propósito, relembro que o pai da democracia norte-americana, Thomas Jefferson, dizia que os momentos mais felizes da sua vida não tinham sido a independência dos EUA, ou os êxitos profissionais, mas sim "aqueles, poucos, que pude passar em minha casa, com a minha família".

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Exemplo de uma aula de educação sexual

Testemunho do registo nº. 5, da lista de cidadãos retirada da Plataforma Resistência Nacional:

"Na escola de um dos meus filhos, do primeiro ciclo, obrigaram um rapaz e uma menina a depir-se e a deitar-se em papel de cenário. Depois os outros colegas desenharam o contorno dos corpos deles e completaram com boca, nariz, olhos... e orgãos genitais. Mais tarde imaginaram uma história em que eles começaram a nomorar até que um dia decidiram ter filhos. A professora colocou o rapaz em cima da rapariga para eles verem como era para ter filhos. A seguir a rapariga engravidou e todos os dias iam aumentando o tamanho do bebé na barriga da menina. No final chamaram uma enfermeira do Centro de Saúde para fazer o parto. Se não soubesse disto em primeira mão, não acreditaria! Mas um dia descobri esta experiência publicada numa revista. Se quiserem posso tentar encontrar a revista e mandar uma digitalização para verem como é verdade (...)"
Isto é mau demais para ser verdade....

POR QUE HÁ SEIS VEZES MAIS HOMENS COM SIDA, DO QUE MULHERES?


Talvez por não se conhecerem os dados estatísticos, e portanto sem má vontade, estão a aparecer na Imprensa muitos artigos de protesto contra o Presidente do Instituto Português do Sangue, por o Instituto não aceitar dadores homossexuais.
A convergência deste ataque pessoal já despertou certamente a sensibilidade democrática de muitos leitores, que reagem, incomodados, quando pressentem manipulação, por trás das opiniões concertadas. Este caso já foi longe demais e urge esclarecê-lo. Talvez tenha havido simples precipitação, sem desejo de enganar, mas um equívoco em questões tão importantes não pode eternizar-se sem uma informação mais correcta.
A confusão começou por não se terem divulgado devidamente os dados alarmantes da incidência de Sida e de outras doenças sexualmente transmissíveis entre os homossexuais portugueses. Admito que a intenção nasceu de um gesto de simpatia para com eles, mas o resultado de omitir esta informação não ajudou ninguém e ameaça inquinar as decisões médicas com critérios ideológicos.
A maioria dos cidadãos que queira consultar os relatórios sobre a Sida que mencionam a homossexualidade não os encontra disponíveis. Quem lida melhor com a informação estrangeira, descobre elementos que relacionam inequivocamente as doenças sexualmente transmissíveis com as práticas homossexuais e é levado naturalmente a pensar que o nosso País não será excepção. Mas, pelos vistos, as pessoas não estão despertas para o assunto e pronunciam-se sem fazerem a pesquisa.
Apesar de todo o pudor em falar destas coisas, há um dado que passou incólume o crivo da boa educação portuguesa: ano após ano, o Instituto Nacional de Estatística continua a publicar o número de casos de Sida entre homens e mulheres. Ano após ano, continua a haver em Portugal seis vezes mais homens com Sida do que mulheres. Isto não é um caso de saúde? Ninguém se preocupa com este facto? Preocupam-se mais em descolar os homossexuais portugueses da Sida, na Opinião Pública, em vez de os ajudar na realidade?
Sabe-se que, se se conseguisse dominar a propagação da Sida entre os homens, o número de ocorrências entre as mulheres praticamente desapareceria, porque a maioria das mulheres que estão infectadas foram contagiadas por homens, os quais constituem 80 a 90% da população infectada com este vírus.
O vírus da Sida não é o único que se transmite sobretudo por via sexual, nem é o que mais vítimas ocasiona, mas tem a característica (comum a alguns outros) de se poder contagiar através do sangue. Não é razoável fechar os olhos à realidade, em nome de preceitos ideológicos.
Não desejamos o contágio deste vírus a ninguém, e esforçamo-nos por não ofender a sensibilidade de quem quer que seja, mas a politiquice está a chegar a um nível inaceitável, em que interfere gravemente com decisões profissionais.
Não conheço o Presidente do Instituto do Sangue. Nunca o vi, nem ouvi e ignoro completamente o seu quadrante partidário ou as suas preferências ideológicas. Sei apenas uma coisa: estou-lhe grato pela coragem de enfrentar mais esta possidoneira politicamente correcta. E está de parabéns pela boa educação ― que faltou aos que o atacaram ―, pois verifico, pelo que acompanho na Imprensa, que manteve a calma.
José Maria C. S. André
(da Direcção da Federação Portuguesa pela Vida, Prof. do IST)

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Madeira

A (ainda) alguns dias de dar um pulo a essa ilha encantada que é a Madeira, aqui fica um blogue Madeira Minha Vida muito interessante e com o qual tenho muitos pontos em comum.

Jamais


- Jamais Sócrates: Um blog de apoio ao PSD e a Manuela Ferreira Leite onde, nos próximos 2 meses, também me poderão encontrar...

quinta-feira, 30 de julho de 2009

A promoção da natalidade do PS


Será que o PS acredita mesmo que é através da abertura de uma conta de 200,00€ que só se pode movimentar ao fim de 18 anos que se vai aumentar a natalidade em Portugal ?


Das duas, uma.


Ou eles são completamente estúpidos (o que não acredito) ou acham o eleitorado completamente estúpido.

Sobre a recente lesão do Papa Bento XVI


"Unfortunately, my own guardian angel did not prevent my injury, certainly following superior orders," Benedict said.


"Perhaps the Lord wanted to teach me more patience and humility, give me more time for prayer and meditation," the pope added.


Fonte: Associated Press

terça-feira, 28 de julho de 2009

Medo de voar

Estou a cerca de 10 dias de fazer um ciclo de 4 viagens de avião e confesso que tenho medo de voar.

Não é algo doentio, mas confesso que o acidente de Barajas do ano passado e deste ano da Air France agravaram um medo subliminar que eu já tinha.

Alguém dizia que sobre voar há 2 tipos de pessoas, os que têm medo e os mentirosos.

Procurei vários artigos na net sobre este tema e achei este muito engraçado embora dê poucas pistas sobre como resolver o problema.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Para uma nova justiça


Boas as sugestões do documento de trabalho do Instituto Sá Carneiro sobre as medidas de correcção da Justiça, aqui.


Destaco, em particular, um excerto que vem na linha do que tenho vindo a denunciar neste blogue até à exaustão:


"Ao nível do direito adjectivo é urgente adoptar-se um novo paradigma de Processo Civil. Para tal e fugindo da rigidez do processo de influência francófona, é necessário inverter a tendência formalista do sistema, valorizando a oralidade e a informalidade, sempre que aliados da procura da verdade material, versus a tendência rígida e burocrática do sistema que presentemente o bloqueia e manieta os juízes na sua actuação. Neste sentido haverá que conferir aos juízes os necessários poderes, instrumentos e capacidade de iniciativa processual necessários à descoberta da verdade material."

sábado, 25 de julho de 2009

Racismo, excesso de zelo, crash e reconciliação

Aqui, um post que escrevi no Algarve pela Vida e que não me apetece fazer copy past prá qui...

quinta-feira, 23 de julho de 2009

A importância das prioridades no ensino

Via Paulo Marcelo, do Cachimbo de Magritte

População cada vez mais idosa


Dados alarmantes divulgados ontem, dia 22, na edição do jornal francês, La Croix, aqui.

Já em 2015, isto é, daqui a 6 anos, estima-se que a população mundial com mais de 65 anos será maior do que o número das crianças com menos de 5 anos !!!!

Será que os 47 milhões de abortos legais, a não existirem, não iriam ajudar a atenuar esta realidade ?

Mostrar a realidade como ela é


Durante a campanha para o último referendo foram muitos os do "não" que se mostraram contra a exibição dos fetos mortos.
Diziam que essa estratégia poderia ser contraproducente na medida em que os "pró-abortistas" iriam chamar-nos de "extremistas", "radicais" ou mesmo acusar-nos de "demagogia".
Os "pró-escolha" (eu prefiro, chamar-lhes "pró-abortistas") argumentam que não é necessário mostrar os pormenores sórdidos do aborto (incluindo a ecografia do feto ainda vivo) para que a mulher saiba que a sua decisão é efectivamente correcta e necessária em face dos motivos que a levaram a optar pelo aborto.
Mas, digo eu, o aborto, o que se vê na ecografia, os "restos humanos" que resultam do aborto não existem ? não fazem parte da realidade do processo abortivo ?
Por exemplo, uma das razões que certamente levarão muitos dos que têm medo de andar de avião a aumentar esse receio, passa pela constatação dos efeitos da queda dos aviões: um avião em queda, a consciência dos passageiros que irão morrer segundos depois, os corpos dilacerados a boiar no oceano, como aconteceu recentemente com o vôo da Air France.
Esta constatação, embora se pudesse dizer que tem um lado "doentio" ou "mórbido", também tem um lado positivo, na medida em que o choque causado pela constatação dos efeitos das quedas dos aviões leva as autoridades a querer evitar e prevenir a queda de mais aviões, promovendo para o efeito correcções nos instrumentos, no equipamento ou na formação dos pilotos.
Isto tudo para dizer que nos Estados Unidos, a Graham Collection Fundation optou por promover a divulgação de imagens de fetos mortos como forma de combater o aborto.
Dizem os seus promotores que:
The Grantham Collection is a non-partisan catalyst for action that brings about change through graphically awakening the consciousness through visual facts. The cruelty to these babies are horrifying and heart-wrenching. We will show you what the abortion industry does not want you and the world to see.
Sei que muitos discordarão do que vou dizer, inclusive alguns dos meus colegas de blog, mas pessoalmente acho perfeitamente legítimo que se actue desta forma, o que não quer dizer que não se procure, dentro das imagens em causa, seleccionar as que sejam menos chocantes.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Novas políticas

Enquanto José Sócrates, em total desespero de causa, lança-se nos anúncios de subsídios a torto e a direito, o PSD vai-se organizando para a próxima vitória nas legislativas.

O blogue novas políticas, seguindo o excelente trabalho desenvolvido pelo Instituto Sá Carneiro, está no ar com contributos muito válidos para o novo ciclo político que se avizinha.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Algravio

Para quem está ou vive no Algarve, o blog Algravio contém informações actualizadas sobre as últimas iniciativas culturais e lúdicas deste distrito.

Destaque para as noites das Mouras Encantadas

sábado, 4 de julho de 2009

H1N1 criado e disseminado por humanos

No outro dia, em conversa com um colega ligado ao mundo dos negócios em Lisboa, dizia-me ele que o vírus H1N1 teria sido criado em laboratório por algumas empresas multinacionais de farmacêutica.
A ideia seria modificar o vírus da gripe, criando um certo alarme social e uma certa pandemia, mas de tal forma que o mesmo não seja demasiado grave nem excessivamente mortífero. Por outras palavras, o suficiente para se venderem uns milhões de vacinas e enriquecer (ainda mais) a indústria farmacêutica.
Trata-se de um palpite, claro, que poderá nem corresponder à verdade.
Uma coisa é certa, a industria farmacêutica ou como lhe chamava no outro dia o Bastonário da Ordem dos Médicos, "os comerciantes de produtos farmacêuticos", são dos mais poderosos em termos financeiros e de lobby político.
Outra coisa certa, é que este vírus parece efectivamente ter resultado de uma mutação genética. Resta saber se essa mutação foi natural ou artificialmente provocada.
Lembro-me também de um episódio dos ficheiros secretos onde precisamente num laboratório escondido na selva africana cientistas pagos por Empresas farmacêuticas faziam experiências em sem abrigo de forma a desenvolver novas doenças e, em simultâneo, os respectivos remédios.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

El ministro de Economía de Portugal dimite tras llamar cornudo a un diputado

Os espanhóis são muito directos e o som do castelhano parece que torna as coisas ainda mais graves e ofensivas...

Justiça pelas próprias mãos

Da minha experiência pessoal, em 29 de Maio, escrevi isto.


Agora o meu Bastonário que, em geral, se pauta por dizer e denunciar aquilo que, na realidade, se está a passar na Justiça, veio confirmar o que eu já tinha escrito:


- A lentidão dos tribunais, o alto custo dos processos judiciais levam a que cada vez se faça mais justiça por próprias mãos.

sábado, 27 de junho de 2009

Sócrates defensivo

Sócrates mostra-se ultimamente mais abatido, prostrado e defensivo.
É importante que o PSD não baixe o ritmo e se mantenha ao ataque.
E depois, se ganhar as eleições, para bem do nosso país e da nossa democracia, é importante que o PSD não cometa os erros do passado.
A maturidade de uma democracia faz-se quando se aprendem com os erros do passado.
O PSD do passado tem um registo de arrogância, recusa de diálogo com a sociedade, clientelismo político, promoção de um novo riquismo balofo, entre outras, que não se podem repetir.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Filme sobre o sentido da vida

O que é a vida ?
Para que serve ?
Qual o seu sentido ?
Qual o sentido da dor ?
O que cá andamos a fazer
Sobre tudo isto tenta responder o filme "The Human Experience"
Pelo trailer, promete...

Veja aqui a página oficial.

Farrah Fawcett morreu



Ao fim de vários anos de luta contra o cancro Farrah Fawcett morreu ontem.
A sua vida, nos últimos anos, foi registada e filmada pelos media, por vezes, até à exaustão.
A sensualidade, o sucesso e boa vida foram substituídos pela cruz própria de quem sofre de cancro (exames médicos, várias cirurgias, quimioterapia, metástases, etc, etc, até à morte final).
Como dizia hoje a minha mulher, mais vale morrer de acidente de avião do que de cancro ou outra doença.
De facto, o cancro é algo terrível; é a lepra dos tempos modernos, mais do que a própria sida, apesar do estigma acrescido a que esta última está associado.
Na fase final da sua vida, Farrah foi à gaveta recuperar a sua fé católica para a ela se agarrar com unhas e dentes enquanto atravessava o calvário da sua doença. E, no final, como qualquer bom católico, pediu a Extrema Unção. Como diz o seu companheiro, no momento da sua morte, "she was with her team".
É uma pena que a nossa casmurrice nos leve a apenas recuperar as nossas crenças quando delas precisamos.
Quando as coisas nos correm bem e nos sentimos os reis do mundo, então, aí, esquecemo-nos dos outros, dos mais necessitados e do próprio Deus.
Não é uma crítica que faço a esta actriz, é uma crítica à humanidade inteira.
Como se diz, neste fórum de discussão, o que conta é como é encaramos o momento efectivo da morte, se é com esperança e fé ou se é com desesperança e dúvida.
Cita-se a história do bom ladrão que viveu a sua vida no pecado e no crime e que, pela forma como encarou a morte, teve a garantia de que iria, nesse mesmo dia, para o paraíso.
Mas e se o bom ladrão, em vez de "ladrão" e "bom" (pelo menos no dia da sua morte) tivesse, antes sido, um bom cristão ou um bom pai de família ou um bom cidadão, não apenas quando sentiu que a morte se aproximava, mas no seu dia a dia ?
Esse é um desafio, se calhar, mais difícil de vencer do que a própria batalha do cancro.
Uma coisa é certa, Farrah morreu e deixa-nos um documentário televisivo e um exemplo de tenacidade, coragem, persistência e fé, tal como diz o seu companheiro Ryan O'Neill que a acompanhou até ao fim:
She’s gone. She now belongs to the ages. She’s now with he mother and sister and her God. (...) She was in and out of consciousness. I talked to her all through the night. I told her how very much I loved her. She’s in a better place now. She was with her team when she passed ... Her eyes were open, but she didn’t say anything. But you could see in her eyes that she recognized us.”

Talvez o seu bom exemplo, nesta fase da sua vida, possa servir de base a um renascimento do seu filho, preso, por tráfico de estupefacientes.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Os professores da escola pública nas férias

Muitos professores do ensino público ficam muito ofendidos quando alguém lhes diz que são uma classe privilegiada e ainda mais se revoltam quando alguém defende a importância da sua avaliação.
Pois bem, o melhor exemplo desta situação de privilégio está nesta época de férias.
Muitos professores têm cerca de 3 meses de férias, iniciando na 2ª quinzena de Junho, mês de Julho, mês de Agosto até ao fim da 1ª quinzena de Setembro.
É que embora, tecnicamente não estejam de férias, desde que lhes não sejam atribuídas certas tarefas, ficam sem nada que fazer, ou seja, ficam.....de férias.
E alguns professores chegam, inclusivé, a ter 4 meses de férias, caso as suas escolas, por motivos de obras ou outros atrasem o início do ano lectivo.
A questão é que durante todo esse período os contribuintes estão a pagar os ordenados destes professores.Em alternativa, as escolas poderiam organizar programas de férias para os seus alunos ou promover, em cada grupo de ensino, a preparação das aulas e/ou de actividades para o próximo ano lectivo, ou qualquer outra coisa do género.Trata-se de uma questão de produtividade e de aproveitamento do tempo, sem prejuízo, claro, do direito dos professores às suas merecidas férias.Mas, convenhamos, 3 (ou 4 meses) de férias, é manifestamente excessivo !!!

terça-feira, 23 de junho de 2009

Desaparecer

Às vezes, no meio do stress, dos afazeres, do trabalho que parece nunca acabar, das preocupações, apetece-nos literalmente desaparecer, mas daí a fazê-lo.

Porém, nos EUA, há quem literalmente o faça, isto é, desapareça para desopilar...


P.S.- Afinal, as segundas intenções que todos teremos pensado ao ler esta notícia vieram-se mesmo a confirmar - não era só para desopilar.

Dia 26 de Junho


segunda-feira, 22 de junho de 2009

Gays pró-vida


Pro-Life Alliance of Gays and Lesbians é o nome da associação norte-americana de gays e lésbicas a favor da vida.

É importante destacar a existência desta associação já que, por regra, costuma-se entender que todos os homossexuais e lésbicas, por o serem, são também necessariamente a favor do aborto livre, o que, como podemos ver por aqui, não é verdade.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Plataforma Resistência Nacional

É com muito orgulho e entusiasmo que me ofereci para, em regime de voluntariado, colaborar nas acções judiciais que serão intentadas contra o Estado em virtude desta iniciativa.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

O rei morto





Uma das passagens que mais me tocou do livro de Rocha Martins, sobre o regicídio (edição da Bonecos Rebeldes), pela sua poesia e dose dramática, foi a cena em que ele descreveu o primeiro cortejo do rei D. Carlos que teve lugar na mesma noite do dia do seu vil assassinato.




O percurso seguia entre a rua do Arsenal, onde existe hoje a Marinha, ao lado do Tribunal da Relação de Lisboa e da Câmara Municipal em direcção ao Palácio das Necessidades e aconteceu após ter sido confirmado o óbito do rei e do princípe.




Nessa mesma noite do regicídio, temia-se que os republicanos proclamassem o fim da monarquia pelo que, à cautela, foram lançadas as tropas e a guarda para as ruas de Lisboa.




Este cortejo, com guardas de escolta poderosos e belos, contrasta com a forma descuidada e displicente como a escolta do rei tinha sido conduzida umas horas antes, no Terreiro do Paço, no momento em que se deu o regicídio.




Nesse triste e nocturno cortejo ía uma parte de Portugal que morria.




Escreve Rocha Martins:


"Soou uma voz de comando e as carruagens largaram.


Era sinistro, horrível, aquele préstito entre soldados, pela noite, o transporte de dois reis mortos, o pai na frente, por sua categoria, atrás o filho do seu amor: e lembravam duas singulares figuras de cera trazidas de uma feira para um museu de grandezas passadas.


Lindíssima, a noite de luar estendia-se tremeluzente de estrelas límpidas e o cortejo passava no silêncio e na dor, sob os esplendores da Natureza"




domingo, 14 de junho de 2009

Promover a família


O Ministério para o Desenvolvimento Comunitário, Juventude e Desporto de Singapura iniciou uma campanha para promover famílias duradouras. O lema é “Think Family” e tem um site em que, entre outras coisas, se podem ver uns anúncios da realizadora de cinema da Malásia Yasmin Ahmad (cfr. o seu blog). Soube disto através de Santiago Chiva, que legendou em espanhol alguns dos vídeos.
O objectivo da campanha – diz o site – é ajudar a tornar Singapura um lugar adequado onde as crianças possam brincar e crescer, e onde os casais possam instalar a sua casa de família, e os pais possam saborear o ter filhos e netos. O vídeo que mostro acima conta em 3 minutos uma deliciosa história de uma filha e do seu pai viúvo.
A alguns dará satisfação ver um governo a fazer uma campanha pró-família normal. Mas não é preciso saber muito sobre welfare e coisas semelhantes para perceber que o Estado é o primeiro interessado em que a família esteja saudável: além do mais, poupa-se muito dinheiro. Alguns países europeus preferem fazer ao contrário, como se a família fosse um inimigo.
10/06/2009
Diego Contreras

(Recebida por e-mail)

Regícidio


Terminei o "Regícidio" do jornalista e escritor Rocha Martins que será, talvez, a obra historicamente mais próxima do atentado e com a recolha de dados mais "fresca" de todas as muitas outras obras que se lhe seguiram.


Como diz aqui, Aquilino Ribeiro, parece que efectivamente o objectivo era matar João Franco, o que não tendo sido possível, precipitou, em alternativa, o assassinato do rei.

Sem dúvida que houve algum descuido e falta de sensibilidade na forma como o Rei D. Carlos geriu a situação do governo de João Franco, sobretudo a questão dos "adiantamentos" em favor da casa real, numa altura em que o povo passava dificuldades, caíu muito mal.


Resta saber até que ponto é que um rei mais prudente, em termos de política interna, teria ou não evitado a queda futura da monarquia, tendo em conta a forte dinâmica e implantação do movimento republicano pelo país fora.


Devo dizer que a I República (aqui enaltecida), apesar de várias medidas positivas e modernizadoras do país, não trouxe grande novidade ao país: o caciquismo manteve-se, a má gestão, a corrupção, as crises parlamentares, etc...

Aliás, basta destacar 2 factos que mostram bem a moralidade da I República:

- O total alheamento e abandono de pessoas que lutaram ou sofreram pela futura república, permitindo que muitos morressem quase na miséria (Por ex. Trindade Coelho, entre muitos outros que o livro vai mencionando em notas de rodapé).

- O enriquecimento e aburguesamento das figuras de proa, Afonso Costa e António José de Almeida, à medida que a república se vai implantando. Destaco, aliás, uma foto que não está neste livro, mas num outro do circulo de leitores, onde se pode ver Afonso Costa, com a sua família, vestindo caros sobretudos e casacos de peles, a posar, na sua quinta particular enquanto o povo continuava a passar mal.


Em conclusão, o mal não está na monarquia ou na república, mas no mau uso que os homens lhe dão.

Ambos os sistemas têm vantagens e desvantagens, tudo depende das qualidades pessoais dos seus protagonistas.


P.S.- Aqui ficam algumas curiosidades, a propósito deste livro:


1) Li o livro ao longo de 1 ano, aos soluços, em alguns minutos do fim de semana, durante o tempo em que tinha que ficar no carro enquanto a minha filha dormia a sesta e a minha mulher ía às compras.


2) Manuel Buíça teve a sua última morada nas Escadinhas da Mouraria (ou também chamada rua das Escadinhas da Saúde), nº4, 4º esquerdo, em Lisboa (quem viverá lá, agora? E que será feito dos descendentes dos seus filhos, Elvira e Manuel Silva Buíça ?).


3) Alfredo Costa, o outro regícida, no próprio dia do regícidio, esteve na casa de Meira e Sousa, um dos revolucionários republicanos, sita na rua Nova do Almada, nº84, onde durante muito tempo se escondeu Aquilino Ribeiro.

Para quem vá de caminho à H&M, como é o meu caso, não deixa de ser um sítio interessante para recordar.


4) Os descendentes do odiado Presidente do Conselho João Franco andam por aí. São os descendentes de uma história viva.
Pela internet, via Geneall, encontrei dois deles, seus trinetos, Pedro António Monteiro Franco, um dos descendentes mais novos, com 19 anos, ex- aluno da Escola Secundária Rainha D.Amélia e a sua tia, Maria Lívia Beltrão Franco Marques Pereira, é ou era professora de Relações Internacionais na Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa e fez doutoramento sobre o tema "Alexis de Tocqueville e a Liberdade Política: Um estudo sobre a cidadania em democracia".

quinta-feira, 11 de junho de 2009

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Ensaio sobre a cegueira

Uma gastroentrite no meu filho mais velho obrigou-me a não poder ir para a praia.
Vai daí aproveitei o feriado para alugar o "Ensaio sobre a Cegueira" e confesso que detestei.
Já me tinham dito que o filme era fracote mas hoje pude confirmar.
O filme é super parado e muito pobre, apesar da ideia que lhe está subjacente ser muito interessante.
Não sei se é demérito do realizador ou é o próprio livro que é pouco "adaptável" ao cinema, mas o que é certo é que até a Julianne Moore uma das minhas actrizes preferidas tem uma actuação muito frouxa, numa narrativa que tem muitas quebras e lacunas.

Contra o casamento homossexual

Ser contra o casamento homossexual (ver aqui e aqui bons artigos sobre a matéria) não é ser necessariamente homofóbico.

No caso da posição da Igreja Católica, foi emitido um comunicado pelos vários Bispos que compõem o estado de Nova York, segundo o qual:

If there are injustices against those in relationships other than marriage, those injustices can certainly be reformed and corrected in a way other than by drastically redefining marriage.
We close with a final point from our 2008 statement:
“(W)e want to make absolutely clear that our firm beliefs about marriage … must not be misconstrued to be in any way a condemnation of homosexual people or an attack on their human dignity. Our Church teaches, and we affirm, that we must treat our homosexual sisters and brothers with dignity and love, as we would all God’s children. Indeed the Catechism of the Catholic Church warns that any form of prejudice or hatred – “every sign of unjust discrimination” – against homosexual people should be avoided. (CCC 2358)